By

A Igreja é Imaculada e Indefectível

topo

 

Após cada campanha de ataques contra ela, a Igreja sempre aparece mais forte e esplendorosa do que antes

Mons. João Scognamiglio Clá Dias, EP

mons

         A saraivada de notícias que, nas últimas semanas, tenta macular a Igreja Católica, tomando por motivo abusos de crianças cometidos por parte de sacerdotes católicos, atinge um clímax inacreditável.

         Decididos a não deixar morrer a fogueira que acenderam, vários órgãos de comunicação social têm se dedicado a investigar o passado, à procura de novas alegações que envolvam o Vigário de Cristo na Terra, o Papa Bento XVI, no que, aliás, têm falhado rotundamente.

        Que haja padres despreparados e indignos, ninguém o pode negar; que abusos horríveis foram cometidos, e certamente até em número superior ao registrado, é preciso reconhecer. Mas utilizar falhas gravíssimas, mas circunstanciais, relativas a uma minoria de clérigos, para enxovalhar toda a classe sacerdotal é uma injustiça. E usar isso como pretexto para tentar derrubar a Igreja é diabólico.

        Aliás, quanto mais o espírito libertário, relativista e neopagão de nossa época se infiltra na Igreja, tanto mais é de temer que aconteçam crimes de pedofilia. Daí mesmo a necessidade de implantar nos seminários um sistema rigoroso de seleção, de modo a só admitir como candidato ao sacerdócio quem não tenha a propensão de pactuar com o mundo, mas queira ensinar a prática da doutrina católica em toda a sua pureza e dar o exemplo.

       A atual campanha publicitária contra a Igreja faz-nos esquecer uma verdade da qual a história nos dá um inequívoco testemunho: foi a Igreja Católica que livrou o mundo da imoralidade, e é porque está rejeitando a Igreja que o mundo tem afundado novamente no lodo do qual foi resgatado.[…]

Baixe o documento completo em PDF

 

Fonte: Site Arautos do Evangelho

By

Fundador dos Arautos, doutor em direito canônico

     doutor-mjc   

“A Banca Examinadora do “Angelicum”, de Roma, outorgou nota máxima à Tese de doutorado de Mons. João Scognamiglio Clá Dias, EP, intitulada “A gênese e o desenvolvimento do Movimento dos Arautos do Evangelho e seu reconhecimento canônico”.  

         Em Roma, centro de formação acadêmica dos clérigos do mundo inteiro, destaca-se a famosa Universidade Pontifícia de São Tomás de Aquino, o Angelicum, como é conhecida. Pertencente à Ordem de São Domingos, a origem dessa instituição de ensino superior remonta ao Studium medieval, constituído em 1220. Suas faculdades de Filosofia e Direito Canônico têm uma tradição mais do que secular, sendo fundada a primeira em 1882, e a segunda em 1896.

Conteúdo da Tese de doutorado

        Nessa renomada universidade, Mons. João Scognamiglio Clá Dias apresentou em 27 de novembro sua defesa de Tese de doutorado em Direito Canônico. Intitulado A gênese e o desenvolvimento do Movimento dos Arautos do Evangelho e seu reconhecimento canônico, o trabalho tem como finalidade “avaliar qual a figura jurídica que mais convém ao Movimento dos Arautos”.

          A Tese compõe-se de três capítulos. No primeiro são analisadas as várias figuras associativas existentes na atual legislação canônica. No segundo, é descrito o percurso vocacional do fundador, assim como a evolução jurídica do Movimento, desde a sua gênese até o presente; ainda neste capítulo, explana-se com precisão e rigor o importante papel desempenhado pelo Prof. Plinio Corrêa de Oliveira na formação religiosa, filosófica e cultural de Mons. João Scognamiglio Clá Dias, ficando assim patente quanto o pensamento e a personalidade dessa destacada figura do laicato católico do século XX influenciaram o carisma dos Arautos do Evangelho. O terceiro capítulo apresenta os elementos essenciais do carisma e da espiritualidade do Movimento, a qual pode ser resumida numa ardorosa devoção à Sagrada Eucaristia, a Maria e ao Papa. Por fim, o autor da Tese desdobra importantes e profícuas conclusões.

A opinião dos examinadores

        A Banca Examinadora estava constituída pelo Revmo. Pe. Bruno Esposito, OP, Decano da Faculdade de Direito Canônico e Orientador da Tese; pelo Revmo. Pe. Jan Sliwa, OP, Vice-Decano da Faculdade de Direito Canônico; e pelo Revmo. Pe. Marcelo Santos das Neves, OP, conceituado professor da Faculdade de Direito Canônico e Censor da Tese.

        Após a exposição, padre Bruno Esposito e padre Marcelo Santos das Neves apresentaram diversas questões a Mons. João e, em seguida, deram seu parecer sobre o trabalho apresentado. Salientaram inclusive ter sido essa a primeira defesa de tese feita por um fundador, no Angelicum. Dada a relevância da opinião desses conceituados professores, publicamos nas páginas seguintes o texto do julgamento de cada um.

       A Tese de Mons. João Scognamiglio Clá Dias, EP, que recebeu a nota máxima, será publicada em breve no Brasil, e estará disponível em quatro línguas: português, espanhol, italiano e inglês.

 Fonte: Revista Arautos do Evangelho, Janeiro/2010.

 Alguns pontos abordados na defesa de tese.

  • História e atualidade de uma realidade eclesial apresentadas pelo próprio fundador
  • Assunto crucial abordado sem preconceito
  • Uma nova categoria jurídica, que salvaguarde a unidade do carisma
  • O ramo sacerdotal faz parte do carisma?
  • Um dos mais belos exemplos de perfeição possíveis neste mundo
  • O carisma e o exemplo do fundador dão unidade ao movimento

Para ver a tese na íntegra, clique aqui.

 

By

Fundador dos Arautos é recebido pelo Papa

         Roma (Segunda, 30-11-2009, Gaudium Press) Por ocasião da defesa de tese de doutoramento em Direito Canônico, na Pontifícia Universidade São Tomás de Aquino (Angelicum), em Roma, o fundador dos Arautos do Evangelho, Mons. João Scognamiglio Clá Dias, E.P., foi recebido em audiência pelo Papa Bento XVI, no dia 26, por cortesia de Dom Benedito Beni dos Santos, Bispo Diocesano de Lorena (SP) e Supervisor Geral de Formação dos Arautos do Evangelho.

[SinglePic not found]

         Como penhor de seu devotamento à Igreja e à pessoa do Santo Padre, Mons. João Clá ofereceu-lhe um belíssimo terço feito de contas de rubi, confeccionado pelo setor artístico dos Arautos do Evangelho. Ao receber os cumprimentos de Mons. João Clá, o Papa fez menção, com sumo agrado, à característica cruz dos Arautos, que o primeiro ostentava ao peito, sobre a batina.

[SinglePic not found]

        O fundador dos Arautos do Evangelho fez a sua defesa de tese de doutoramente de Direito Canônico, no Angelicum. A banca julgadora foi constituída pelo Rvdo. Pe. Bruno Esposito, O.P. (Decano da Faculdade de Direito Canônico e orientador da tese), pelo Rvdo. Pe. Jan Sliwa, O.P. (Vice-Decano da Faculdade de Direito Canônico), e pelo Rvdo. Pe. Marcelo Santos das Neves, O.P. (Professor da Faculdade de Direito Canônico e Censor da Tese).

        A tese, intitulada “A gênese e o desenvolvimento do Movimento dos Arautos do Evangelho e seu reconhecimento canônico” tem como finalidade “avaliar qual a figura jurídica que mais convém ao movimento dos Arautos”. Composta de três capítulos, no primeiro são analisadas as várias figuras associativas existentes na atual legislação canônica. No segundo capítulo, é descrito o percurso vocacional do fundador, assim como a evolução jurídica do movimento, desde a sua gênese até o presente.

        O importante papel desempenhado pelo Prof. Plinio Corrêa de Oliveira na formação religiosa, filosófica e cultural de Mons. João Clá, também é descrito com precisão e rigor, ficando assim patente como o pensamento e a personalidade dessa destacada figura do laicato católico do sec. XX influenciou o carisma dos Arautos do Evangelho. No terceiro capítulo são descritos os elementos essenciais do carisma e espiritualidade do Movimento, a qual se pode resumir numa ardorosa devoção à Sagrada Eucaristia, a Maria e ao Papa. Por fim, são expostas importantes e profícuas conclusões.

        Após a exposição da tese, Fr. Bruno Esposito, OP e Rvdo. Pe. Marcelo das Neves apresentaram diversas questões a Mons. João Clá e deram seu parecer sobre o trabalho apresentado:

        “O Papa Honório III – declarou o Rvdo. Pe. Marcelo das Neves – ao aprovar e elogiar a obra de São Domingos, afirmou que a sua luta, ‘unia os tempos antigos aos tempos novos’. Acredito que os Novos Movimentos Eclesiais e o que tem origem no Sr., em particular, preenchem, na maioria dos casos, mais que satisfatoriamente, estes requisitos. Explico: o seu movimento (os Arautos do Evangelho) traz para o hoje da história a beleza, o gosto pelo grande e majestoso, o discreto rigor disciplinar, e sobretudo o entusiasmo inocente dos primeiros tempos e anos da fé cristã. A sua profunda espiritualidade (sua e dos seus filhos), marcada pela presença Eucarística, pela devoção mariana e pela incondicional obediência ao Santo Padre, traduzem a vitalidade e força renovadora da Igreja de Jesus Cristo que no Credo professamos Una, Santa e Católica. Portanto, seja do ponto de vista do conteúdo, seja do ponto de vista formal, ou seja, pela elegância e pelo esmero em relação à língua de Camões traduzida para os filhos da Terra de Santa Cruz, a sua Tese merece ‘todo louvor’.”

        A tese de Mons. João S. Clá Dias, E.P. será publicada em breve, no Brasil, e estará disponível em quatro línguas: português, espanhol, italiano e inglês.

Clique aqui e confira a notícia televisiva na TV Arautos.

 

By

Fundador dos Arautos do Evangelho recebe Medalha Anchieta em SP

 file_14346_noticia

           (Gaudium Press)A Câmara Municipal de São Paulo, por meio do vereador Gabriel Chalita (PSB-SP) concedeu ontem (4), a Medalha Anchieta ao fundador dos Arautos do Evangelho, monsenhor João Scognamiglio Clá Dias. Considerada a mais alta honraria da cidade, a medalha foi entregue na Igreja Nossa Senhora do Rosário. Amigos dos Arautos acompanharam a entrega da medalha ao prelado.

           Durante seu discurso, o fundador dos Arautos do Evangelho agradeceu as palavras do vereador Chalita e disse que a honraria não era para ele e sim para toda a obra, que vem se expandindo gradativamente.

anchieta-1

           “Esta obra vai, de fato, se expandindo de forma impressionante, inteiramente soprada pela graça porque não entram os fatores humanos para produzir estes efeitos. Entra a graça, o Espírito Santo, a proteção de sua Santidade o Papa – antes João Paulo II que nos acolheu e, agora, o Papa Bento XVI -, cardeais e bispos de várias partes do mundo que nos apoiam e nos promovem”, disse.

            Monsenhor João aproveitou para lembrar alguns momentos da vida do beato José de Anchieta e disse que agora vai promover de maneira especial a sua canonização. 

            “Eu não vejo a hora de sua canonização. Eu ia distribuir uma relíquia do beato Anchieta a cada um dos que estão presentes para que levassem consigo e rezassem pela canonização dele. Uma vez que recebo a medalha dele, tenho de promover de uma maneira ainda mais todo especial do que antes”, afirmou.

anchieta-2

           Na proposta apresentada pelo vereador Chalita, é possível observar todo o trabalho que os Arautos do Evangelho, através de seu fundador, desenvolvem não só em São Paulo, mas em todos os municípios e países onde têm sede.

            Durante o exercício legislativo, cada vereador pode indicar até três pessoas para receber a condecoração. Monsenhor João Clá Dias foi o primeiro indicado do vereador Chalita. “Fiz questão que ela fosse concedida exatamente ao senhor por tudo aquilo que o senhor representa a todos nós”, afirmou o parlamentar. 

            Medalha Anchieta e Diploma de Gratidão da Cidade de São Paulo

           A Medalha Anchieta foi idealizada em setembro de 1969 e distribuída como brinde aos convidados que participaram da cerimônia de inauguração do Palácio Anchieta, ocorrida na mesma data.

           A medalha é sempre entregue acompanhada de um diploma, ambos concedidos a personalidades que, por meio de suas trajetórias, tenham conquistado a admiração e o respeito do povo paulistano.

anchieta-3

            Várias personalidades importantes já receberam a Medalha Anchieta e o Diploma de Gratidão da Cidade de São Paulo, entre elas, o Papa João Paulo II, o jurista Miguel Reale, o cientista Milton Santos e o empresário Horácio Lafer Piva.