By

A anunciação do Anjo e a Encarnação do Verbo

Mons. João Scognamiglio Clá Dias

0055(1)E, estando Isabel no sexto mês, foi enviado por Deus o Anjo Gabriel a uma cidade da Galiléia, chamada Nazaré, a uma virgem desposada com um varão, que se chamava José, da casa de Davi, e o nome da Virgem era Maria. E, entrando o Anjo onde ela estava, disse-lhe: “Deus te salve, cheia de graça, o Senhor é contigo; bendita és tu entre as mulheres”.

E ela, tendo ouvido estas coisas, turbou-se com as suas palavras, e discorria pensativa que saudação seria esta. E o Anjo disse-lhe: “Não temas, Maria, pois achaste graça diante de Deus; eis que conceberás no teu ventre, e darás à luz um filho, e por-lhe-ás o nome de Jesus. Este será grande, e será chamado filho do Altíssimo, e o Senhor Deus lhe dará o trono de seu pai Davi; e reinará eternamente na casa de Jacó; e o seu reino não terá fim”.

E Maria disse ao Anjo: “Como se fará isto, pois eu não conheço varão?” E, respondendo o Anjo, disse-lhe: “O Espírito Santo descerá sobre ti, e a virtude do Altíssimo  te cobrirá com a sua sombra. E, por isso mesmo, o Santo, que há de nascer de ti será chamado Filho de Deus. Eis que também Isabel, tua parenta, concebeu um filho na sua velhice; e este é o sexto mês da que se diz estéril; porque a Deus nada é impossível”. Então disse Maria: “Eis aqui a escrava do Senhor, faça-se em segundo a tua palavra.” E o Anjo afastou-se dela. (Lc. 1, 26 – 38).

 

Primeiro Ponto

Nossa Senhora, jovem, – deveria ter aproximadamente seus quinze ou dezesseis anos – está em oração, está recolhida rezando, porque antes de  tudo Ela é criatura, e toda criatura  necessita de oração. Ela reza pedindo por si, pela humanidade, contemplando a situação do mundo naquele tempo e o seu futuro  –   Ela sabia perfeitamente quais eram os dramas, quais eram as conseqüências terríveis do pecado original. Ela queria que houvesse, o quanto antes, a Redenção. Ela conhecia – com o dom de Ciência, com o dom de Sabedoria,  porque Ela tinha estes dons em altíssimo grau – a origem do pecado já no paraíso terrestre, pela negação e pela desobediência de Adão e Eva. Em conseqüência, tinha Maria verdadeiro horror, indignação, inteira incompatibilidade com o pecado; Ela queria que houvesse quanto antes a vinda do Redentor, para que tudo se pusesse em ordem. E sabia perfeitamente que isso só se  obteria –  dom extraordinário – através da oração. Ela, por isso, rezava, e disso tinha necessidade. Nosso Senhor também rezou, e quantas vezes. Ele não precisava da oração, mas Ele rezava, e rezava pedindo por todos nós.

Explica-nos a teologia que tanto Nosso Senhor, quanto Nossa Senhora – Ele, por ser o Redentor, por ser o Salvador, e, portanto, o que há de mais alto em toda a ordem da criação, Ela por ser a mãe de todos os homens, a Rainha dos Anjos —  Ela e Ele tiveram um privilégio que foi de conhecer todos os homens até o fim dos tempos. Jesus, não só enquanto Deus, mas também enquanto homem, e Maria, enquanto mãe de todo o gênero humano, mãe de todos os santos, mãe de todos aqueles que são batizados, conheceram os homens  um por um. Nosso Senhor e Ela, portanto, tiveram em mente cada um e cada uma de nós que estamos aqui presentes hoje.

Nosso Senhor e Nossa Senhora tiveram um contato direto conosco antes que nós tivéssemos sido criados, e Eles nos viam. Nosso Senhor nos viu várias vezes. Nossa Senhora também.

Ela rezava, pedindo pela nossa salvação, quando lhe aparece o Anjo.

O Anjo aparece fazendo um elogio extraordinário, elogio que daria para deixar orgulhoso qualquer um. E, entrando o Anjo onde ela estava, disse-lhe: “Deus te salve, cheia de graça, o Senhor é contigo; bendita és tu entre as mulheres”. Ou seja, o Anjo elogia Nossa Senhora dizendo que Ela é a mais alta figura dentre todas as mulheres.

Nós sabemos perfeitamente como age em nós o orgulho, como age em nós a vaidade, como age em nós o amor-próprio, e, se aparecesse um Anjo para um ou uma de nós no quarto, enquanto este ou esta rezava, e o Anjo fosse São Gabriel cheio de luz — maravilha! — iluminaria o quarto inteiro, sentir-se-ia até o odor de um perfume extraordinário, e ele dissesse nada mais nada menos para nós homens, que somos o primeiro entre todos, ou então, para uma mulher: “Sois a mais alta criatura, a mais excelente de todas as mulheres…” Como nós tomaríamos um elogio destes?

Seria um elogio que nos colheria de surpresa e nos deixaria pasmos, mas ao mesmo tempo nosso amor-próprio, nosso orgulho, nossa vaidade, nosso desejo de aparecer, nosso desejo de ser o primeiro, a primeira, tomariam um grau de calor extraordinário dentro de cada um de nós. Nós ficaríamos rachando de orgulho.

No entanto, o que aconteceu com Nossa Senhora ao ouvir esse elogio? Qual foi a reação dela? São Lucas nos diz: “turbou-se com as suas palavras, e discorria pensativa que saudação seria esta. Olhemos para Ela. Não é verdade que Ela merece este elogio? Pois claro! Puríssima, virginalíssima, virtuosíssima, santíssima — Ela merecia este elogio. E se não houvesse outra razão, bastaria que o Anjo dissesse, e se este  disse é porque foi enviado por Deus para dizê-lo — “Anjo”, significa mensageiro de Deus — e o Anjo falou, é isto!

Ela, ao invés de pensar: “Então quer dizer que eu sou a primeira entre todas as mulheres!”, ao invés de Ela ficar contente, cheia de si, turbou-se, ficou perturbada. Perturbou-se porque tinha medo de ofender a Deus, atribuindo a si qualquer coisa que não lhe pertencesse. Medo de ofender a Deus. Medo de apropriar-se de algo que pertencia a Deus. Medo de consentir em ter um prazer, em ter uma complacência, em se julgar a primeira das mulheres.

Como seria bom se nós nos perturbássemos quando fôssemos elogiados. Maria nos dá esse exemplo. Na Anunciação Ela nos dá um exemplo extraordinário, porque se perturbou ao ouvir este elogio. E diz o texto de São Lucas: turbou-se com as suas palavras, e discorria pensativa que saudação seria esta. Como é que é isso? Um Anjo me aparece e diz isso?

Vejam que Ela não se assusta com a aparição do Anjo, Ela não fica com pânico de que lhe apareça um Anjo. Era tradição de todo o Antigo Testamento que quando um Anjo aparecia a alguém, esse alguém podia contar seus dias, pois estavam inteiramente postos numa seqüência que ia dar na morte próxima. A aparição de um Anjo era tida como prenúncio da morte. E todos aqueles que recebiam uma aparição de um Anjo se assustavam, e assim foi que aconteceu com Zacarias, esposo de Santa Isabel. Zacarias, quando viu o Anjo, ficou em pânico e pensou que fosse morrer. Nossa Senhora não se assusta com a aparição do Anjo. Ela era tão extraordinária que tinha  convívio com os Anjos; mas nada disso levava Nossa Senhora a se considerar como a primeira das mulheres.

Nós, que temos um convívio não com os Anjos, mas, tantas vezes, com o espelho; nós, que aparecemos diante do espelho e ficamos conversando com o espelho – e quantas e quantas vezes o espelho não mente dizendo que nós somos o primeiro dos homens ou a primeira das mulheres? Às vezes o espelho mente e nos diz que somos o primeiro ou a primeira; e nós, muitas vezes, acreditamos facilmente no que nos diz o espelho. E Nossa Senhora, com o elogio feito por um Anjo, se perturba e fica se pondo o problema: o que quer dizer isso? De onde é que saiu esta saudação? De onde vem isso? Eu, de minha natureza, não sou nada. Eu sou vazia. Eu sou a escrava do Senhor. Eu não tenho nada de mim mesma que valha alguma coisa. Eu nunca consegui nada por mim mesma, tudo vem de Deus. Agora vem este Anjo dizer que eu sou a primeira das mulheres. Que humildade!

O que foi obrigado o Anjo a dizer a Ela? O Anjo vai continuar o elogio. O Anjo lhe diz: “Não temas, Maria…” Não temas o quê? Não é ao Anjo, porque ele está ali e Ela, em nenhum momento, teve temor dele. Ela tinha medo das palavras, porque tinha medo de perder a humildade, tinha medo de apropriar-se de algo de Deus. O Anjo vai tranqüilizá-la: “Pois encontraste graça diante de Deus.” Ah bom! Se é por uma ação de Deus, por uma ação da graça, e não por mim mesma que obtive, e sim porque Deus teve misericórdia, Deus contemplou a minha miséria, Deus contemplou o meu nada, aí eu fico tranqüila, porque já não sou Eu, já não vem de mim. Não é algo que eu possa dizer “eu sou”.

Se há algo de bom em mim, esse algo de bom vem de Deus e não de mim, ou seja, o que tranqüilizaria Maria era saber que esse elogio feito pelo Anjo não vinha da natureza dela, esse elogio feito pelo Anjo vinha de uma predileção de Deus. Deus é que teve amor por ela, Deus é que deu a graça a Ela. Deus é que a fez a primeira das mulheres. Se for vontade de Deus, que seja feita. Eu, jamais quereria ambicionar ser a primeira das mulheres, a primeira das criaturas saída das mãos de Deus — nunca! Se Deus o quer, eu estou de acordo com a vontade de Deus. “Eis aqui a escrava do Senhor, faça-se em mim segundo a tua palavra”.

O Anjo vai dizer mais, uma vez que Ela se tranqüiliza sabendo que é pela ação da graça, ele lhe diz: “eis que conceberas no teu ventre, e darás à luz um filho, e por-lhes-á o nome de Jesus. Este será grande, e será chamado filho do Altíssimo, e o Senhor Deus lhe dará o trono de seu pai Davi; e reinará eternamente na casa de Jacó; e o seu reino não terá fim.”

Imaginem uma virgem que fez voto de virgindade, que não quer saber de maneira alguma de ofender a Deus, e recebe esta notícia de ser Mãe do Filho de Deus. Qualquer um de nós diante dessa situação diria: Ótimo, que coisa extraordinária, vamos direto, façamos logo isto. Maria perguntou ao Anjo. “Como se fará isto, pois eu não conheço varão?” É a preocupação:  Ela é virgem com a promessa de ser virgem até o fim da vida, porque não se pode falar em morte dela com toda a segurança. Ela queria permanecer na virgindade.       Nós encontramos, então, aqui outro ponto para  meditarmos, que é a virgindade, a castidade. Nesta cena nós vamos ter três representações da virgindade, três representações da castidade. A primeira delas é Deus. Deus é a Virgindade, Deus é a Castidade e, toda virgindade, toda castidade que há na face da Terra é um reflexo desta substância Virgindade, Castidade que é Deus. Nós temos o Anjo, que é puro por natureza, é a pureza enquanto reflexo da pureza de Deus. Então nós temos Deus enquanto sendo a Virgindade, o Anjo representante da Virgindade e a Virgem, também representante desta Virgindade de Deus, desta Castidade de Deus.

Ela virgem, o Anjo, virgem, Deus a Virgindade. Ela, tão Virgem que no começo da história da Igreja era chamada de Santa Maria Virgem. Aos poucos, isto que era sobrenome dela, Santa Maria Virgem, passou a ser o nome, porque hoje nós dizemos Virgem Maria. E Deus, que ama tanto a virgindade, quer tanto a virgindade, quer tanto a castidade, que Ele a fez permanecer virgem antes, durante e depois do parto. E aí está Ela neste primeiro mistério gozoso ressaltando muitíssimo esta virgindade. Ela diz: “como se fará isto…” E o que tranqüiliza Maria é quando o Anjo diz: “O Espírito Santo descerá sobre Ti, e a força do Altíssimo Te envolverá com a Sua Sombra, e por isso mesmo o santo que há de nascer de Ti será chamado Filho de Deus….” O Anjo dá uma prova: “… Eis que também Isabel, tua parenta, concebeu um filho na sua velhice; e este é o sexto mês da que se diz estéril; porque a Deus nada é impossível.” Aí então Nossa Senhora diz: “Eis aqui a escrava do Senhor, faça-se em mim segundo a tua palavra.”

 

Segundo Ponto

Então nós vemos três características lindíssimas nessa Anunciação. A primeira é o recolhimento e a oração. Exemplo para nós de quanto é conveniente que nós estejamos em oração, porque é na oração que Deus se comunica conosco. A segunda é a virgindade de Maria, o quanto Ela aqui faz transparecer a beleza da virgindade. E a terceira é a completa despretensão, a humildade plena. Então, recolhimento, despretensão, e portanto  humildade, e a virgindade são para nós exemplos. Exemplo neste mundo que diz exatamente o contrário, neste mundo que hoje em dia é um mundo dissipado, feito de orgulho e de impureza; a castidade vai desaparecendo, a castidade vai se retirando deste mundo.

Discutem se é bom desarmar, se é bom não desarmar. Eu julgo que para se ter a verdadeira paz seria preciso que os homens e as mulheres todos praticassem a castidade. A prática da castidade é fecunda. Nós vemos aqui este exemplo. Ela, Virgem, passa a ser a Mãe de Deus, e por sua alta  humildade, alta virgindade, alto recolhimento, Ela não só é Mãe de Deus, mas recebe como filiação toda a humanidade. Ela é Mãe de toda a humanidade.

A castidade produz efeitos, produz frutos magníficos. Não há paz onde não há castidade. De maneira que, além de saber se os homens devem ter armas ou não devem ter armas, eu seria favorável a que também se pusesse o problema: os homens devem ou não devem ser castos? Eu digo os homens? É a humanidade, homens e mulheres. Neste século XXI, se os homens e as mulheres resolvessem, diante de Deus, abraçar a castidade com amor — ela custa nos seus primeiros passos, mas com a graça de Deus tudo é possível –  a humanidade seria outra. A paz desceria sobre a face da Terra. E hoje, que acontecem tsunamis, tufões, tremores de terra, guerras, assaltos e seqüestros,  insegurança, tudo vem desta falta de santidade; falta de santidade, falta de castidade, falta de humildade. O mundo está dando as costas para Deus. Esperemos que Deus não dê as costas para os homens, porque  aí será o fim do mundo.

 

Terceiro Ponto

Entretanto, sendo Nossa Senhora a nossa medianeira, disse em Fátima, “Por fim o Meu Imaculado Coração triunfará”.

O triunfo do Imaculado Coração dela será através do espírito de piedade, fazendo os homens voltarem-se para Deus com  humildade, reconhecendo tudo o que há de bom no Reino de Deus, na prática da castidade e de todas as outras virtudes. É só assim que se entende verdadeiramente o que significa o triunfo do Imaculado Coração de Maria no mundo.

Devemos pedir neste final de meditação à Virgem Maria que derrame sobre nós estas graças que Ela, durante séculos, tem represadas em suas mãos, que derrame sobre cada um de nós, no mais fundo de nossas almas, a ponto de fazer-nos compreender bem a beleza de todas esses virtudes, a beleza das virtudes que existem nela. E que assim possa Ela, olhando para nós, dizer: “Por fim o Meu Imaculado Coração triunfou.” Como triunfou? Porque Ela obteve para nós essas graças todas.

Todos receberão essas graças. Essas graças habitarão em todos, uns em maior grau, outros em menor, mas todos receberão. Quem corresponderá, quem não corresponderá? Isto a história nos dirá, pois o importante é não só receber essas graças, mas também a própria fidelidade, a própria correspondência a elas.

 

Oração Final

Ó Mãe, Vós que sois a Rainha do Anjos, a Mãe dos homens, a mais piedosa de todas as mulheres, a mais humilde de todas as criaturas, o mais virginal de todos os seres saídos das mãos de Deus; minha Mãe, nesta meditação que vos oferecemos, nesta meditação que fazemos para reparar o Vosso Sapiencial e Imaculado Coração de tantos crimes, tantas abominações que hoje em dia se cometem, nós vos pedimos: dai-nos a graça de sermos como Vós, dais-nos a graça de sermos humildes, dai-nos a graça de sermos piedosos e recolhidos, dai-nos a graça de sermos castos e puros. Dai-nos a graça de sermos um reflexo de vosso Sapiencial e Imaculado Coração no que Ele tem de mais excelso, de mais excelente, que são essas virtudes e muitas outras. Minha Mãe, nós queremos ser um daqueles que constituirão o triunfo de Vosso Sapiencial e Imaculado Coração.

Assim Seja.

(trechos da meditação de primeiro sábado na Catedral da Sé, em São Paulo, no dia 1/10/2005 – Homilia adaptada à linguagem escrita, publicada sem conhecimento e/ou revisão do autor.)

4 Responses to A anunciação do Anjo e a Encarnação do Verbo

  1. gostei muito da leitura sobre a encarnaçao do verbo abraços jovem

  2. aencanaçao do verbo e muito impoantante para nossa vida omesmo tem muitas forças de deus e jesus cristo

  3. gostei muito quando maria recebeu a noticia de que ela iria rceber agrça de dar aluz aum filho por nome emanuel raimunda

  4. plinio gomes dias says:

    salve maria,eu quero falar da primeira missa do pe.Célio Casale foi espetacular muito bela:eu vocacionado sdb salesiano de som bosco de lagoa do carro-pe foi com o meu paroco agora reitor do seminario menor de nazareda mata pe.anael,no qual tambem redel graças a Deus neste dia 26 no seu 6 anos de ordenado aqui em lagoa do carro,e a festa de anunciação do anjo e uma festa tambem muito inportante para a igreja e para todos os criatão porque e neste dia que o verbo divino se encarna e se faz humem como nos,e como falava o pe.anael dia 25:e hoje que a virgem recebe em seu ventre o filho de Deus o nosso salvador.

Por favor, deixe um comentário