By

Convite: Missa na festa de Nossa Senhora do Bom Conselho

“Diante do santo afresco, uma constante se verifica: a nenhum dos pedidos que lhe são dirigidos deixa Ela de atender de alguma forma. Nas dúvidas, nas perplexidades ou mesmo nas provações, depois de um certo tempo de oração – maior ou menor, dependendo de cada caso – Maria Santíssima faz sentir no funda da alma em dificuldade seu sapiencial e maternal conselho, acompanhado de mudanças de fisionomia e de coloração da pintura. É indescritível esse especialíssimo fenômeno.

Foi em Genazzano, aos pés do santo afresco da Mãe do Bom Conselho, que nasceram os Arautos do Evangelho. Ali, Ela os inspirou, orientou e fortaleceu. Por isso, a exemplo de tantos outros, os Arautos do Evangelho A consideram como sua padroeira.”

(Mons.João Scognamiglio Clá Dias, EP – Revista Arautos do Evangelho, Ano I nº 4 (Abr. 2002, p.25)

Os Arautos do Evangelho têm a alegria de convidar a V. S. e familiares para a Missa em honra a Nossa Senhora do Bom Conselho, que será celebrada na sede dos Arautos do Evangelho em Recife.

Data: 26 de abril de 2018

Horário: 19:30

By

Projeto Futuro e Vida no Colégio Divino Mestre

17 de abril de 2018

 

Os alunos do Ensino Fundamental do Colégio Divino Mestre tiveram uma aula diferente. Foi a apresentação do “Projeto Futuro e Vida”. Em forma de um concerto-palestra, os Arautos executaram várias músicas, as quais mostravam a importância de valores como a disciplina, o respeito e a alegria.

Encerrando com chave de ouro, a imagem de Nossa Senhora foi coroada. Os alunos puderam aproximar-se da imagem peregrina e fazer um momento de oração, pedindo por si e pelos seus.

Acompanhe as fotos.

By

Batismo e Primeiras Comunhões

1º de abril de 2018

Ó Deus, por vosso filho unigênito, vencedor da morte, abristes hoje para nós as portas da eternidade. Concede que, celebrando a ressurreição do Senhor, renovados pelo vosso Espírito, ressuscitemos na luz da vida nova.” (Oração do dia do Domingo de Páscoa)

No Domingo de Páscoa, a liturgia da Igreja se une aos coros dos anjos para comemorar a Ressurreição do Senhor. Nessa data tão marcante, um jovem ingressou na Santa Igreja recebendo o sacramento do Batismo e, juntamente com outros quatro jovens, fez a sua Primeira Comunhão.

Veja as fotos a seguir.

By

Tríduo Pascal na sede dos Arautos em Recife

29 de março a 1º de abril de 2018

Vigília Pascal – Cântico do “Exultet”

A vida dos homens e a sua ação neste mundo terminam-se com a morte; mas, ao contrário, a vida de Jesus e o seu reinado na Terra começam no momento em que morre pela salvação do mundo. Naquele dia, seu Pai investiu na realeza sobre essa raça de Adão, que Jesus acabava de arrancar à morte e ao inferno. E por isso, a cruz, que foi o instrumento da sua vitória, tornar-se-á o estandarte do seu reinado, “vexillla regis”, e por ela vencerá a todos os povos: Judeus, Romanos e Bárbaros. E eis aí porque Jesus suspirava pelo batismo de sangue: “Quando for levantado entre o céu e a terra, dizia Ele, hei-de atrair tudo a mim. ”[1]

Grande número de fiéis participou das celebrações do Tríduo Pascal na sede dos Arautos do Evangelho, em Recife. Na Quinta-Feira Santa, a Liturgia da Igreja relembra a instituição da Eucaristia e do Sacerdócio. Ao mesmo tempo, no final da Missa, o altar é despojado de todos os ornamentos, símbolo da traição de Judas, do abandono dos apóstolos e do início da Paixão. Na Sexta-Feira Santa foi cantado o Evangelho da Paixão e realizada a adoração à Santa Cruz, instrumento de nossa Redenção. Finalmente, na Vigília Pascal é lembrada gloriosa Ressurreição do glorioso triunfo do Salvador e o seu triunfo definitivo sobre o pecado e a morte, conforme comenta o professor Plínio Corrêa de Oliveira: “A Santa Igreja se serve das alegrias, vibrantes e castíssimas da Páscoa, para fazer brilhar aos nossos olhos, mesmo nas tristezas da situação contemporânea, a certeza triunfal de que Deus é o supremo Senhor de todas as coisas, de que seu Cristo é o Rei da glória, que venceu a morte e esmagou o demônio, de que a sua Igreja é rainha de imensa majestade, capaz de se reerguer de todos os escombros, de dissipar todas as trevas, e de brilhar com mais luzidio triunfo, no momento preciso em que parecia aguardá-la a mais terrível, a mais irremediável das derrotas.” [2]

[1] Berthe, A., “Jesus Cristo – Sua vida, sua paixão, seu triunfo”, Einsiedeln, 1925, p. 421, 430-432.

[2] Corrêa de Oliveira, Plínio. “Páscoa”, in “O Legionário”, nº 660, 1/4/1945