By

Uma leprosa envergonhou-me

«Fontilles» de Joseaperez - Trabajo propio. Disponible bajo la licencia GFDL vía Wikimedia Commons - http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Fontilles.JPG#mediaviewer/File:Fontilles.JPG

«Era de tardinha na leprosaria de Fontilles, Espanha. Depois de atender os meus leprosos, saí da enfermaria para espairecer um pouco. E rezar o terço. O meu caminho passava diante da capela. Entrei e ajoelhei-me num dos bancos.

Na penumbra do santuário percebi que lá na frente junto ao presbitério havia alguma coisa, alguma figura que se movia pouco.  Os contornos foram-se definindo e, finalmente, não havia dúvida: era uma mulher ajoelhada e com os braços em cruz.

Aquela cena mexeu comigo, me chamou a atenção e fiquei a olhar aquele espetáculo, sobre o qual todo o céu devia estar debruçado. Os dois braços pareciam terminar em mãos fechadas.

Observando melhor percebi que eram mãos sem dedos! Eram mãos leprosas. E estavam em cruz! Como se a lepra não fosse já uma cruz e a pobre mulher não estivesse já crucificada. De vez em quando, os braços caíam para um breve descanso; depois subiam de novo…

A mulher estava absorta em oração diante do crucificado, alheia ao que se passava em torno de si.

Lembrei-me aí de Moisés no alto do monte a rezar. Só que o velho patriarca tinha dois homens a segurar-lhe os braços, e aquela mulher estava só, crucificada na sua lepra.

Senti uma vontade enorme de trazer o mundo inteiro para dentro daquele pequeno templo. Especialmente o mundo elegante e vazio, que vende a alma ao conforto e à preocupação com o corpo.

Depois da comoção, comecei a sentir vergonha. Vergonha por mim mesmo e pelo mundo, pelos homens e mulheres do meu tempo. Vergonha por ver que nós, pecadores, não fazemos a penitência de que precisamos…»

                                                                                    

                                                                                       Pe. Héber de Lima, S. J.

One Response to Uma leprosa envergonhou-me

  1. EDVANIA QUEIROZ says:

    Salve Maria! É um exemplo para todos.

Por favor, deixe um comentário