By

São João Batista: o eco de uma voz que ressoa por mais de dois mil anos

21 de Junho de 2013

by Rodrigo Siqueira

               A alegria está invadindo os bairros e praças do nosso grande Brasil. Comes e bebes, festas, trocas de gentilezas e muitos rojões fazem parte da comemoração que nos rodeia neste mês de junho. Mas tudo isso por quê?

               Porque há homens que nasceram para marcar a História: a sua pessoa, os seus atos, a sua personalidade atravessam os séculos e nos servem de modelo a imitar e de exemplo a seguir.

               São João Batista faz parte desta linhagem de pessoas, homem suscitado por Deus para corrigir os erros de sua época e para iluminar e perfumar a História. Quem foi este tão famoso santo que todos já ouviram falar, mas que nem todos o conhecem?

               Desde os primeiros instantes de sua existência, quando ainda estava no ventre materno, demonstrou possuir uma missão fora do comum. Quando a Santíssima Virgem, após a revelação de São Gabriel, atravessou apressadamente os montes para ir auxiliar a sua santa prima, a qual também concebeu por uma ação divina, e por fim pronunciou-lhe a saudação, o pequeno João pulou de alegria a ponto de deixar patente aos circunstantes se tratar de uma vocação especial. Dele afirmou o evangelista: “Veio um homem enviado por Deus; seu nome era João. (Jo 1, 6).

               Mais tarde encontrou-se no deserto uma figura singular, um homem que se alimentava de gafanhotos e mel silvestre, passava pelos lugares exortando as pessoas que aplainassem o caminho de Deus, ou seja, que suas almas fossem planas e retas sem os desvios e asperezas que são frutos do pecado; um homem altivo apesar de possuir um corpo tratado por heroicas penitências. Entretanto, o fazer penitência é um ato que exige muito do ser humano. Para que alguém esteja realmente disposto a este sacrifício, é necessário que compreenda que pecou, e que este ato irá constituir uma reparação e um pedido de perdão ao Redentor. São João Batista tinha este princípio diante dos olhos, por isso jejuava e se sacrificava pelos pecados do povo. Deus, então, em atenção à sua penitência, concedia força às suas palavras para mover as almas que cruzassem os ouvidos com a sua voz.

               Monsenhor João Clá Dias comentará a seu respeito: “[…] Mas, enquanto preparava o povo judeu para seu encontro com o Messias, São João Batista foi entreabrindo as portas da revelação que o próprio Filho de Deus vinha trazer”.¹

               Assim, o homem de Deus batizava os arrependidos como prefigura e preparação do batismo por excelência trazido por Jesus, e no momento em que lhe comunicam que todos vão ao batismo de Jesus, ele não hesita em manifestar sua humildade dizendo: “É necessário que ele cresça e eu diminua.”

               Que nesta festa de São João, nos lembremos de seus ensinamentos e do seu exemplo de vida; auxiliados pela sua intercessão, tenhamos dor de nossos pecados e peçamos perdão ao nosso Redentor, afim de que, além da animação dos fogos e do bom convívio, aproveitemos a essência desta comemoração, que está em ouvirmos essa voz que ressoa por mais de dois mil anos.

¹CLÁ DIAS, João. In: Revista Arautos do Evangelho, Fazei penitência! Nº120, 2011. p. 15

2 Responses to São João Batista: o eco de uma voz que ressoa por mais de dois mil anos

  1. O tamanho da festa é a mesma medida da importância deste santo para a Igreja Católica.

  2. Marilene Cruz Albino says:

    E viva o São João!

Por favor, deixe um comentário