By

Lojas abertas e igrejas fechadas: o que é mesmo essencial?

27 de abril de 2020

A carta de uma freira, um passeio pela cidade e a nota da Conferência Episcopal Italiana de ontem deitam novas luzes sobre o que é realmente essencial durante a pandemia.

Redação (27/04/2020 10:46Gaudium Press) O artigo Missas públicas suspensas: a grande Sexta-Feira Santa da Igreja suscitou alguns comentários nas redes sociais e via e-mail. As observações eram as mais diversas, mas a tônica geral era: “Tenho saudades da Eucaristia”… Sentimento compreensível, ninguém pode negar.

Entre as mensagens, chegou-nos também a crítica de uma freira. Comentava ela que, nesses tempos de pandemia, o essencial seria preservar a vida a todo custo. Logo, argumentava ela, seria necessário manter o banimento das missas públicas para evitar a propagação do novo coronavírus. E conclui: sem a vida, afinal, é impossível realizar o culto divino.

O silogismo aparentemente irretocável continha uma questão de fundo: as igrejas, enquanto templos, são indispensáveis? É essencial que estejam abertas? São elas um fator a mais para a crise pandêmica…? É disso mesmo que se trata?

Um passeio me revela o que é essencial

Apesar da quarentena, tive que sair essa semana para fazer compras, como a maioria da população comum.

Padaria: o pão é essencial?

Cruzando a esquina, logo divisei uma padaria com as portas abertas. Afinal, “o pão nosso de cada dia” é essencial. Naquele momento, me lembrei da freira e de suas queixas quanto à abertura das igrejas. Em paralelo, como que por intuição, me recordei também da frase de Jesus: “Não só de pão vive o homem, mas de toda palavra que sai da boca de Deus” (Mt 4,4; cf. Dt 8,3). Nessa esteira, pois, se essencial é o pão dos homens, o que dizer do Pão dos Anjos, a Eucaristia?

Banco: o tesouro é essencial?

Mais adiante, notei que um banco também estava aberto. Naquele dia de reflexões, outra passagem da Escritura me veio à mente: “Não ajunteis para vós tesouros na terra […] mas ajuntai para vós tesouros nos céus” (Mt 6,19-20). E ainda: “Onde está o teu tesouro aí estará também o teu coração” (Mt 6,21). Pois bem, se a economia é indispensável em tempos de pandemia, não seria mais essencial ainda pensar na vida eterna?

Correios: cartas são essenciais?

As portas dos Correios estavam escancaradas… Precisamos, afinal, receber material comprado pela internet, bem como correspondências em geral. Mas se “a letra mata e o espírito dá a vida” (2Cor 3,6), por que então a “morte” das palavras humanas seria essencial, mas não o Verbo de Deus que se fez carne?

Farmácia: remédios são essenciais? E construir?

Ninguém duvida que farmácias devem estar abertas, mormente em períodos de pandemia. Com efeito, encontrei-as todas disponíveis; algumas 24 horas. São essencialíssimas. Mas se há tantos doentes por covid-19, o número de enfermos espirituais não é menor. De fato, Jesus disse: “Não são os que têm saúde que precisam de médico, mas os doentes. Eu não vim chamar justos, mas pecadores” (Mc 2,17). Não é também essencial tratar desses doentes de alma?

Para a minha surpresa, também uma loja de material de construção estava aberta. Nesse sentido, o salmo 126 (1) é muito eloquente: “Se o Senhor não constrói a casa, em vão labutam os seus construtores”. Se são essenciais as pedras para edificação, o que dizer de Jesus, a pedra angular (cf. Ef 2,20)?

Pet-shops: são essenciais?

Com a pandemia, os animais também não podem morrer de fome. Por isso, justificadamente, os pet-shops estavam de portas abertas. Recordei-me, porém, do conselho de Jesus: “Olhai as aves do céu: não semeiam, nem colhem, nem ajuntam em celeiros. E, no entanto, vosso Pai celeste as alimenta. Ora, não valeis vós mais do que elas?” (Mt 6,26). Se os bichinhos são essenciais, o que dizer de nossas almas?

Roupas: são essenciais?

A barbearia estava, contudo, fechada: não pude cortar o cabelo, o qual, nessas alturas da quarentena, estava bem desalinhado pela falta de aparos. A solução por ora seria usar um boné para disfarçar um pouco… Ainda bem que a loja de roupas estava aberta. Vendo toda aquela exposição de moda me recordei ainda das palavras de Jesus: “E com a roupa, por que andais preocupados? Aprendei dos lírios do campo, como crescem, e não trabalham e nem fiam. […] Se Deus veste assim a erva do campo, que existe hoje e amanhã será lançada ao forno, não fará ele muito mais por vós, homens fracos na fé?” (Mt 6,28.30). Era forçoso para mim a compra do boné; contudo, para o Divino Mestre, a fé é ainda mais importante… ela é essencial!

Comida: é essencial? E as notícias?

Cheguei, por fim, ao supermercado. Lotado, por sinal. Sem surpresas, pois todos precisamos de comer. O regime de segurança sanitária lá era bem relativo, para dizer o mínimo. Seja como for, é claro que não somos pagãos, cujo “deus é o ventre”… (Fl 3,19). Comprei com racionalidade, sem precisar estocar, mas fiquei pensando: onde está Deus em todo esse caos?

No caminho de volta, percebi também que as bancas de jornal também estavam abertas. A informação também é indispensável. Só que o passeio transcorreu como num instante, “como uma sombra, como notícia fugaz” (Sb 5,9). De fato, tudo nesse mundo passa com suas informações…

E a igreja estaria aberta?

Por fim, num misto de frustração e nostalgia, quis passar por uma igreja perto de casa. Afinal, só o Absoluto, por definição, é absolutamente indispensável. Só Ele é totalmente essencial, pois é o próprio Ser Subsistente.

A igreja, para minha surpresa, continuava fechada. De fato, não só as celebrações da Eucaristia foram suspensas há mais de um mês no Brasil, mas todos os demais sacramentos, exceto em casos de urgência. Na Itália, diga-se de passagem, a Conferência Episcopal Italiana (CEI) lançou ontem (26/4/2020), uma nota de protesto ao primeiro-ministro italiano quanto às diretrizes de saída gradual da quarentena. As novas normas preveem a reabertura de diversas modalidades de comércio (como lojas de joias e de sapatos) e outras atividades (esportivas, por exemplo), mas ainda vetava a celebração das missas. Na nota a CEI advoga o direito constitucional à liberdade de culto e a importância da Igreja em tempos de emergência, em particular em relação aos pobres, cujo significado “nasce – declara a nota – de uma fé que deve nutrir-se de suas fontes, em particular pela vida sacramental”.

Enfim, não consegui rezar como queria, mas compreendi, por comparação, o quanto a Santa Missa é essencial. Fiquei convencido, ademais, que se uma padaria, um banco, Correios, farmácias, lojas de material de construção, loja de roupas e joias, supermercados, pet-shops têm condições de manter um mínimo de higiene para evitar contágios, por que não a igreja? Sim, aquela mesma que o Apóstolo chamou de “gloriosa, sem mancha nem ruga” (Ef 5,27)!

Uma intuição resume para mim o que é essencial

Voltei para casa e a questão da freira ainda martelava em minha cabeça. Por intuição, percebi que, na realidade, o que ela propunha era um falso dilema: não existe contradição entre preservar a vida terrena e buscar a vida eterna.

Naquele dia cheio de inspirações, recordei-me ainda de outra frase do Divino Mestre: “Que aproveita ao homem ganhar o mundo inteiro e perder sua própria alma”? (Mc 8,36). Frase essencial para os dias de hoje…

Por Luís Fernando Ribeiro

Por favor, deixe um comentário

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d blogueiros gostam disto: