By

Beato João Duns Scoto – 8 de novembro

Joao-Duns-Scot

O bem-aventurado Duns Scoto foi um sacerdote da Ordem dos Frades Menores. De origem escocesa, ensinou com sutileza e fervor filosofia e teologia em Cambridge, Oxford, Paris e Colônia, o que rendeu o epíteto de Doctor subtilis (doutor subtil).
Foi um dos principais defensores da Imaculada Conceição da Virgem Maria de seu tempo, sob o princípio: “Ele (Deus) podia, era-lhe conveniente, logo Ele fez” (“potuit, decuit, ergo fecit”). Nesse sentido, defendeu que Maria foi preservada da mancha original antecipadamente e em vista da Paixão e Morte redentora de Jesus Cristo.
Eis um episódio que ilustra a sutileza de seu pensamento:
Certa vez, Duns Scoto caminhava por um campo e encontrou com trabalhador rogando pragas e blasfemando com insistência. O frade franciscano exortou ao pobre pecador de cessar a utilizar aquele tipo de linguagem, pois por ela poderia cair certamente no inferno. O homem então lhe respondeu: “Se Deus já decretou que devo ir para o inferno, então não serão as orações que poderão me ajudar em algo; se decretou que devo ir para o céu, então serei salvo mesmo rogando pragas e blasfemando”. “Bem, se é assim — replicou-lhe Duns Scoto — então não consigo entender porque estás arando a terra. Pois se Deus já decretou que terás uma boa colheita, assim a terás, mesmo se não cultivares tua terra; mas se estabeleceu que a colheita pereceria todo o teu trabalho seria vão”. Por fim, o campônio lhe respondeu que certamente não haveria boa colheita. O frade então concluiu sorrindo: “Eis que acabas de inverter o teu argumento inicial”. Com esta analogia o homem acabou por compreender o absurdo do fatalismo.

Por favor, deixe um comentário