By

Cuidado! Buracos na pista

27 de Setembro de 2013

 26º Domingo do tempo comum

Parecia um sonho! Depois anos  um novo caminho, pavimentado e bem mais curto, ligava o distrito ao centro da cidade. Agora eram duas vias, a antiga, um pouco mais longa e ainda calçada de pedras e a nova, já de asfalto. A novidade evidentemente agradou a todos.

Entretanto, bastou chegar o período chuvoso para o sonho terminar. O material era de péssima qualidade e a camada asfáltica começou a desaparecer em meio a grandes buracos e vários carros foram caindo neles. Foi necessário a colocação de avisos como: PERIGO, CUIDADO COM OS BURACOS, etc.

Um motorista que saiu atrasado para um compromisso resolveu arriscar. Resultado, caiu em um grande buraco e de lá não saiu sem um guincho. Outro queria terminar seu serviço antes do horário e voltar logo para casa, não ouviu os avisos e…. caiu em uma cratera. Outra ainda, vindo confiante em suas habilidades de direção levou o carro para o acostamento e não percebeu que esse havia cedido. O carro caiu de um barranco e só foi resgatado pelos bombeiros na manhã seguinte.

XXVI Domingo do Tempo Comum

A história do Rico avarento e do pobre Lázaro é a quinta parábola recolhida por São Lucas. Com ela, Cristo quer nos mostrar alguns buracos em que podemos cair nesta estrada chamada VIDA. E surgem neste evangelho algumas dúvidas.

É pecado ser rico e vestir-se bem?

Não! quem nos dá essa resposta é o Beato João Paulo II:“Foi condenado o rico acaso porque foi rico, porque teve na terra abundantes propriedades, porque ‘se vestia de púrpura e linho fino e vivia os dias regalada e esplendidamente’? Não. Cristo não condena nunca a posse pura e simples dos bens materiais. Mas pronuncia palavras muito severas contra os que usam dos seus bens materiais de modo egoísta, sem atenderem às necessidades dos outros”. João Paulo II, Homilia no Yankee Stadium, Nova Iorque, 2 de Outubro de 1979)

Então podemos dizer que os buracos não são as riquezas ou o luxo, mas o egoísmo e a falta de generosidade e amor ao próximo. CUIDADO!

Bento XVI comenta: “Jesus, na parábola do rico epulão e do pobre Lázaro, apresentou, para nossa advertência, a imagem de uma tal alma devastada pela arrogância e opulência, que criou, ela mesma, um fosso intransponível entre si e o pobre: o fosso do encerramento dentro dos prazeres materiais; o fosso do esquecimento do outro, da incapacidade de amar, que se transforma agora numa sede ardente e já irremediável”. (Bento XVI, Carta Encíclica SPE SALVI)

O Inferno Existe?

Existe! Quem nos explica um pouco mais sobre ele é Mons. João Clá Dias, presidente Geral dos Arautos do Evangelho, em sua obra “O Inédito sobre os Evangelhos”.

“Morreu também o rico, e foi sepultado. Quando estava nos tormentos do inferno, levantando os olhos, viu ao longe Abraão e Lázaro no seu seio”

O rico também morre, pois nem o muito dinheiro nos livra desse fim. Como foi seu juízo particular? Qual a sentença proferida por Deus? Não se ocupa desses detalhes o Evangelho e simplesmente apresenta o rico entre os tormentos do inferno.

A Doutrina Católica nos ensina claramente que o pecado mortal constitui uma ofensa a Deus, irreparável e de suma gravidade. Quem morre na impenitência final, resistindo até o último momento, fixa-se no pecado mortal enquanto desordem permanente, merecendo um castigo também eterno.

Assim se compreende o porquê de ter ido para o inferno aquele rico: morreu na impenitência final de sua grave avareza.

O magistério e a tradição nos ensinam

Assim como em uma estrada com buracos as autoridades colocam avisos para os motoristas, a Igreja também alerta seus filhos.

E, de fato, esse é o empenho dos Santos e do próprio Magistério infalível da Igreja, como declarou em certa ocasião o Bem-aventurado Papa Pio IX: “Pregai muito as grandes verdades da salvação, pregai sobretudo o inferno; nada de meias palavras, dizei, clara e altamente, toda a verdade sobre o inferno. Nada é mais capaz de fazer refletir e de conduzir a Deus os pobres pecadores”

Sobre a eficácia da crença nos fogos eternos, um dos grandes escritores do século XIX, o padre Frederick William Faber, afirmava: “A mais fatal preparação do demônio para a vinda do anticristo é o esmorecimento da crença dos homens no castigo eterno. Se fossem estas as derradeiras palavras por mim a vós dirigidas, lembrai-vos de que nada eu quereria imprimir tão profundamente em vossas almas, nenhum pensamento de fé — após o do Preciosíssimo Sangue — vos seria mais útil e proveitoso do que sobre o castigo eterno”

E se a parábola fosse diferente…

Pode-se perguntar: vai-se para o inferno pelo simples fato de ser rico? No Céu, só entram os mendigos? Toda riqueza é um mal e toda miséria, um bem?

Para maior clareza de análise, invertamos os papéis das duas figuras principais da parábola. Imaginemos o rico cheio de compaixão por Lázaro, a ponto de contratar um médico para curar-lhe as chagas, comprar-lhe os remédios, conseguir-lhe um bom abrigo e proporcionar-lhe deliciosos alimentos.

Por outro lado, suponhamos um Lázaro que teria a alma mais ulcerada do que seu corpo, pois se consumiria de inveja dos bens do rico e, revoltado contra tudo, contra todos e contra o próprio Deus, cobriria de injúrias o seu benfeitor, desejando-lhe a desgraça e até a morte.

Se, nesse estado de alma, morressem ambos, qual seria o destino eterno de cada um? Não há a menor dúvida: Lázaro iria para os “tormentos do inferno” e o rico seria “levado pelos Anjos ao seio de Abraão”.

Quanto precisamos ter sempre presente diante dos nossos olhos esta parábola, a fim de bem sabermos nos servir, sem apego, das riquezas e aceitarmos com paciente resignação as dores, provações e contingências da vida!

Fonte: DIAS, Mons. João Clá, O Inédito sobre os Evangelhos Volume VI, Libreria Editrice Vaticana, Città del Vaticano, 2012, p. 374-387

Para ler mais, clique aqui

By

O Santo Rosário – Parte 2

* Ainda que já tenhais um pé no inferno…

       Ainda quando vos encontreis à beira do abismo ou já tenhais um pé no inferno; ainda que fôsseis um herege endurecido e obstinado como um demônio, cedo ou tarde, vos convertereis e salvareis, contanto que (repito-o, e notai as palavras e os termos de meu conselho) rezeis devotamente todos os dias o Santo Rosário até a morte, para conhecer a verdade e obter a contrição e o perdão de vossos pecados.

 

* Adotai a resolução de rezar o Rosário todos os dias

      Não desprezeis, pois, minha planta excelente e divina, plantai-a em vossa alma, adotando a resolução de rezar o Rosário. Cultivai-a e regai-a, rezando-o fielmente todos os dias e fazendo boas obras, e vereis como este grão que parecia tão pequeno chegará a ser com o tempo uma árvore frondosa, onde as almas predestinadas e elevadas à contemplação farão seus ninhos e morada para resguardar-se, à sombra de suas folhas, dos ardores do sol; para, nas alturas, se protegerem dos animais ferozes da terra; e para serem, enfim, delicadamente alimentadas com seu fruto, que não é senão o adorável Jesus, a quem seja dada honra e glória pelos séculos e séculos. Amém.

 

* “A Senhora a quem rezava o Rosário a levara para um lindíssimo lugar…”

       Duas meninas, pequenas irmãs, estavam à porta de sua casa rezando devotamente o santo Rosário. Aparece-lhes uma formosa Senhora, a qual se aproxima da menor, que tinha de 6 a 7 anos, a toma e a leva. Sua irmã maior a procura, cheia de perturbação, e, sem esperança de a encontrar, volta à sua casa chorando. O pai e mãe a procuram durante dois dias sem êxito. Passado esse tempo a encontram à porta com o rosto alegre e feliz. Perguntaram-lhe de onde vinha, e ela respondeu que a Senhora a quem rezava o Rosário a levara para um lindíssimo lugar onde lhe dera para comer coisas muito boas e colocara nos seus braços um Menino belíssimo.

       O pai e a mãe recém convertidos à Fé, chamaram o padre jesuíta que os tinha instruído nisso e na devoção ao Rosário, e lhe contaram o que havia sucedido. De seus próprios lábios soubemos nós o fato. Aconteceu no Paraguai.

       Imitai, amadas crianças a estas duas fervorosas meninas; rezai todos os dias, como elas, o Rosário e merecereis assim ver a Jesus e a Maria, senão nesta vida, depois da morte, durante a eternidade. Amém.

Continua no próximo post, Clique aqui